FANDOM


Ajros
1) SAGRADA MONTANHA a) PLANÍCIE DE ÊTÀZE
2) TALULA b) PLANÍCIE DE APEP
3) SERENA c) DESFILADEIRO SELVAGEM
4) ALTANEIRA d) DESERTO DE AJROS
5) ESTRELA e) FLORESTA DO PAU PEQUENO
6) ILHAS SOLTEIRAS

GeografiaEditar

O continente de Ajros se encontra a sudeste de Akaŝa, e é regido pela deusa Anĝelina. O clima predominante do continente é o clima frio, com muitas montanhas de neve eterna.

Os rios de Ajros são largos e as águas são tão calmas que mais parecem imensos lagos, o rio principal é o Rio Kepas, porém ele e seus afluentes são conhecidos vulgarmente como “Garra de Harpia”, por causa de seu formato. Muitos consideram um insulto chamar os rios assim, pois remete a uma criatura desprezível, mas quanto mais se tenta coibir o uso do nome vulgar, mais ele pega.

Ao norte o continente é banhado pelo Mar Cinza; os ajrenses acham um absurdo que Fajr-Regno use o idioma Moloke para representar o mar (Bars-Xotev) e, portanto sempre se referem ao Mar Cinza no idioma Yrdok: “Ayörý Iřidäräpëru”.

Ao oeste o continente é separado de Gaja pelo Mar Gaagua. O sul é inteiramente tomado por inúmeras cadeias de montanhas, todas com gelo eterno e a parte leste fica o deserto gelado de Ajros, o lugar mais frio de toda Akaŝa.

Existem poucas cidades de médio e grande porte no continente; além da capital (a Sagrada Montanha), temos Talula e Serena que concentram uma grande população, Altaneira que era apenas uma espécie de base militar, mas acabou tomando algumas características de urbo e Estrela, que embora nunca tenha sido grande, em tempos remotos foi uma cidade próspera e hoje é uma cidade de pequena para média, perdida no mapa. Mas de 70% da população mora em pequenas vilas.

Tanto a vegetação como os recursos minerais são mal distribuídos no continente, mas na média o continente conta com muitos recursos naturais, o que faz com que Ajros dependa muito pouco dos demais continentes. Por causa disto e também de questões religiosas, Ajros é o continente mais isolado que existe.

GovernoEditar

Embora cada um dos quatro continentes sejam regidos por um deus e uma religião dominante, Ajros é sem dúvida o mais teocrático. Não há nobreza ou exército em Ajros, todo o continente é governado pelos representantes da Sagrada Conduta.

Ajros tem uma cultura pacifista, desde o final das Guerras de Reconquista não há nenhum relato de guerra interna. Ajros não declarou nenhuma guerra contra outro continente, mas também não deu apoio a nenhum deles em qualquer guerra.

Apesar disto, nos últimos anos as relação diplomáticas de Ajros com os demais continentes tem se tornado um tanto frias. Antes das Guerras de Reconquista, e mais ainda antes do Ragnarök, o continente era tido como um grande exemplo de diplomacia. Ajros e a deusa Anĝelina já prestaram socorro a todos os demais continentes em tempos de fome, doença, guerras contra entidades demoníacas, mediação entre negociações, entre outras coisas; porém hoje em dia as coisas são diferentes...

O Ragnarök rasgou literalmente os continentes de Fajr-Regno e Ajros, formando entre ambos o imenso Desfiladeiro Selvagem. Esta separação não foi apenas física, as relações entre ambos, que já há algum tempo não eram das melhores, pioraram ainda mais depois do Ragnarök.

Há uma única prisão em todo o continente, na cidade de Altaneira, e só é usada para crimes graves como estupro, homicídio e uso de magia negra. A pena de morte é raríssima, aplicada apenas quando há rebeldia ativa contra a Sagrada Conduta (quando alguém não apenas descumpre seus preceitos mais importantes premeditadamente, mas incita outros fazerem o mesmo).

No continente é assegurado a qualquer um o amplo direito a defesa, e todo crime é julgado por pelo menos três juízes.

A escravidão é totalmente proibida no continente, e se algum barco estrangeiro chegar à costa com algum escravo, este se torna automaticamente um homem livre mesmo que os escravos não desçam do barco; sendo assim ninguém (a não ser os guardiões de Ajros) pode obrigar uma pessoa permanecer na embarcação. Isto é interessante pois algumas regras de Ajros não se aplicam a estrangeiros enquanto ainda estão dentro de suas próprias embarcações. Se alguém esconder um prisioneiro ou se recusar a liberar todos os que queiram ficar em Ajros, isto é tomado como um ato de guerra.

Todo cidadão de Ajros deve ser educado na cultura local. Os templos funcionam como escolas, e entre as disciplinas obrigatórias estão o Esperanto e o Yrdok (portanto não há cidadão de Ajros analfabeto), meditação, agricultura e culinária.

É considerado cidadão de Ajros qualquer pessoa que nasça no continente, ainda que sua mãe estivesse apenas de passagem pelo continente quando deu a luz, e também toda criança batizada na Sagrada Conduta (e toda criança estrangeira é obrigada se batizar aos 3 ou 4 anos). Neste caso a criança é proibida de sair do continente até os dez anos de idade, tempo em que deve ser educada, como dito acima. Embora possa parecer um detalhe, isto já causou problemas enormes. Por isto mulheres grávidas ou com filhos pequenos são recomendadas a não visitar o continente, e alguns homens não gostam de levar suas mulheres ao continente sobre circunstância nenhuma.

ReligiãoEditar

Embora pacifista, o continente é o que tem a menor tolerância religiosa. Em todo o continente existem apenas quatro templos que não são da Sagrada Conduta: da Igreja Cisne Branco um em Serena e outro em Talula, e da Escola Atemense um em Talula (já praticamente desativado) e outro em Estrela.

“Oficialmente” não é proibido prestar culto a outros Deuses Verdadeiros além de Anĝelina, desde que os cultos prestados não tenham nenhum ponto de contradição com a Sagrada Conduta, o que limita bastante o “oficialmente”. Por exemplo:

Você pode fazer um sacrifício a outro deus, mas não pode fazer nenhum sacrifício de carne e também não pode deixar de fazer os sacrifícios obrigatórios à Anĝelina. Pode também realizar um casamento segundo as doutrinas dos outros deuses, mas o casal só é considerado legalmente casado depois que se fez o casamento segundo a Sagrada Conduta.

Casos de heresia leve são punidos com exílio (Ajros é o que mais pune com exílio). É tido como heresia leve o posicionamento rebelde contra princípios menores (as formas de se fazer os jejuns, meditações, rituais, regras de etiqueta, etc.) bem como pecados graves, porém sem intenção de promover rebeldia, tais como: adultério (inclui qualquer relação sexual antes do casamento, ainda que entre noivos), comportamento violento não justificável, perjúrio, boataria severa (aqui fofoca é que tida como uma falta pior que o roubo).

Estrangeiros, enquanto estiverem em Ajros, também são obrigados a seguir diversos dogmas da Sagrada Conduta: não podem comer carne nem beber álcool, são obrigados a comparecer aos cultos dos dias sagrados entre várias outras coisas. Enquanto um estrangeiro estiver dentro dos próprios navios na área costeira, ele não é obrigado a seguir estas regras, mas enquanto estiver em solo de Ajros pode ter certeza que será vigiado o tempo todo pelos guardiões para que não descumpra as regras.

ComércioEditar

Ajros é o continente mais fechado comercialmente. Como todos no continente são obrigados a seguir os preceitos da Sagrada Conduta, incluindo estrangeiros que estiverem de passagem, o continente não importa nem carne nem bebidas alcoólicas (proibidas pela Sagrada Conduta), que muitas vezes são os principais artigos exportados pelos outros continentes.

Como o continente tem também uma postura pacifista, armas, armaduras e afins também tem pouco mercado lá. Claro que é sempre bom lembrar que tudo isto falando do comércio oficial, pois no mercado negro estes itens têm um preço elevado lá.

Embora não tenha riquezas naturais em abundância, Ajros também não tem nenhuma grande deficiência, sendo auto-suficiente em tudo, e se precisar, pode se fechar totalmente aos outros continentes. Por exemplo: Durante as guerras náuticas, Akvlando parou de fornecer sal para Ajros, mas o continente não se abalou, os ajranos simplesmente pararam de cozinhar com sal e o substituíram por ervas e mel.

Tudo isto faz com que o comércio com Ajros não seja dos mais interessantes aos demais continentes. Os ajranos buscam fazer um comércio justo, então embora não busquem pagar menos do que uma mercadoria valha, também raramente pagam muito bem. Os ajranos também não gostam de ficar pechinchando, eles vêem isto como um sinal de falta de honestidade, pois ou a mercadoria vale ou não vale. Por causa disto, o continente que tem menor interesse (ou paciência) de negociar com Ajros é Akvlando.

Portanto é difícil um mercador estrangeiro conquistar uma boa clientela em Ajros, isto pode requerer alguns anos. Muitas vezes, ao invés de importar produtos, as pessoas de Ajros preferem que o profissional vá para o continente, por exemplo: um marceneiro de Gaja é convidado a ficar em Ajros por quatro, cinco meses ou às vezes até um ano, e neste período vai pegando os trabalhos na cidade em que está. O mesmo vale para ferreiros e artífices de Fajr-Regno ou Akvlando.

Como não precisam de muita coisa, Ajros muitas vezes vê a importação de produtos de outros continentes quase como um favor que eles fazem aos outros. E de fato as relações comerciais e diplomáticas são bem interligadas: quando um diplomata de Ajros é bem recebido em Akvlando ou vice-versa, o continente aumente a importação de sal ou exportação de mel e especiarias como mostra de boa vontade.

Como não tem tanto interesse no mercado externo, os produtos de Ajros buscados pelos outros continentes são os de alta qualidade e luxo: artesanato fino, tecidos de seda, lã e veludo, azeite (principalmente extra-virgem), perfumes de alta qualidade, etc.

O mel de Ajros também é exportado para todos os continentes. Mesmo Gaja que é um grande produtor de mel, importa mel de Ajros, devido sua pureza. A vila de Sidet é internacionalmente conhecida por causa do Farinheiro Feliz, estabelecimento tradicional que produz os melhores tipos de farinhas dos mais diversos tipos de toda Akaŝa; navios imensos são mandados a Ajros só para comprar toneladas de farináceos do Farinheiro Feliz.


Principais produtos importados de:

Akvlando: Sal (o sal é o produto de maior volume de importação de Ajros), frutas (normalmente vindas de Gaja e comerciadas quase apenas no inverno), roupas, ferramentas diversas.

Gaja: Frutas, madeira, especiarias, roupas de couro ou pele.

Fajr-Regno: Minérios, joias, ferramentas, especiarias, instrumentos musicais, utensílios variados.


Principais produtos exportados para:

Akvlando: Tecidos, mel, grãos, farináceos, especiarias, artesanato, óleos aromáticos e afins.

Gaja: Tecidos e artesanato finos, especiarias.

Fajr-Regno: Grãos, farináceos, produtos finos (como perfumes, azeite, seda), mel, especiarias, óleos aromáticos.