FANDOM


Goddess-1
O fim da Era Ancestral começa com o nascimento das Deusas-Mães, mas não se sabe ao certo nem como foi o fim da Era Ancestral e nem como se deu o nascimento das Deusas-Mães, e a própria especulação sobre estes assuntos costuma ser tratado como heresia.

É quase consenso geral de que as deusas são gêmeas, embora os adeptos mais fervorosos, tanto de Anĝelina como de Jara, afirmem que a “sua” deusa é a mais velha das irmãs. Em termos de aparência, Anĝelina se parece com uma humana de vinte poucos anos, enquanto Jara se parece com uma humana de 35. Mas qual a importância de se saber se uma das deusas nasceu mesmo antes da outra, já que elas têm mesmo entre 15.000 e 20.000 anos? Ainda assim temas como este são motivos de picuinha entre seus seguidores.

Outra discussão entre os adeptos é para definir qual é a deusa da sabedoria e da vida, já que ambas se denominam deusa da sabedoria e da vida.

Os adeptos de Anĝelina (deusa do ar e da luz) argumentam que você demora muito menos para morrer por falta de ar que por falta de água (3 min. contra 3 dias), portanto o ar é o elemento da vida.

Já os adeptos de Jara (deusa da água) argumentam que a maioria esmagadora dos seres vivos é feito de no mínimo 70% de água, sendo que é ainda maior os que têm mais de 80% de água, e que, portanto, embora o ar sirva para manter a vida, é a água que é o elemento que CRIA a vida.

Como resolver este impasse? Para os discípulos da Igreja Cisne Branco (e felizmente a maioria dos akaŝanos concorda) é simples: ambas são deusas da vida, que depende de ambos os elementos.

E quanto saber qual é a deusa da sabedoria? Para este dilema ainda não há solução. O que dizem é que o tipo de sabedoria das deusas é diferente um do outro. MUITO diferente.

Anĝelina é a deusa da pureza, e sua sabedoria vem de uma doutrina bem mais rígida, baseada no controle dos desejos. Já Jara é uma deusa apaixonada e apaixonante, é a deusa da sedução, e sua sabedoria e doutrina são muito mais baseadas nas emoções.

Estas diferenças entre ambas serviram de palco para várias discussões e rivalidades entre ambas. Jara sempre considerou Anĝelina “levemente” irresponsável (e a recíproca parece ser bem verdadeira), e segundo alguns boatos, dizem que ela alega que Anĝelina se tornou deusa do ar por ter “vento na cabeça”. Em contra partida, dizem que Anĝelina rebate dizendo que Jara se tornou deusa da água porque “ambas não tem cor, não tem cheiro, não tem gosto, não tem graça e afogam os invigilantes”.

Estas intrigas entre as divinas irmãs são lendárias. Anĝelina sempre gostou de criar seres diferentes, grandes e pequenos; a maioria dos seres de Akaŝa foi criada por Anĝelina, principalmente os diferentes tipos de aves e roedores. Uma das criações de Anĝelina amaldiçoada por Jara são os insetos, “uma verdadeira praga, que não poderia ter sido criada por alguém com juízo”. E foi uma praga que se alastrou tão rápido que nem Jara conseguiu acabar com todos. Para tentar retomar O Equilíbrio (base fundamental da doutrina de Jara), ela fez com que os insetos se tornassem fonte de proteína, para servirem de alimento para diversos animais, e criou várias aves que se alimentam deles, principalmente dos gafanhotos.

Outro grande desastre que Anĝelina quase concluiu foi o Asŝalaz. Ele seria um tipo de guardião de grande poder e sabedoria. Jara não permitiu que ela concluísse a conjuração deste guardião, pois seria poder demais (e sabedoria duvidosa) para uma criatura só. Se a conjuração tivesse sido completada, o Asŝalaz teria sido um dragão de proporções assombrosas e isto não é um eufemismo: Ele teria 30 metros de altura, e mais de 120 metros de comprimento, contaria com três cabeças, uma que dominaria o elemento ar, outra o elemento água e nem se sabe o que faria a terceira. Anĝelina já estava modelando o Asŝalaz quando Jara a impediu de finalizar o seu intuito.

Esta segunda intervenção quase provoca uma guerra entre as divinas irmãs. Não conheço todos os detalhes de como foram as negociações que se seguiram, mas nenhuma das deusas quis abrir mão de seu ponto de vista. Anĝelina exigiu que Jara nunca mais se intrometesse em suas conjurações, e esta concordou, desde que Anĝelina se comprometesse a não mais criar nada que desestabilizasse demais o Equilíbrio (grosso modo: nada muito grande ou muito pequeno). Para selar o acordo as duas conjuraram uma nova ave: o cisne (daí o símbolo da Igreja Cisne Branco).

Apesar do acordo, o relacionamento das duas se tornou um pouco mais distante, e foi nesta época que Ajros se afastou literalmente de Akvlando, surgindo assim os dois primeiros continentes.

Quando tudo parecia estável, Anĝelina resolveu que queria ser mãe e engravidou-se a si mesma, usando apenas a Prana (Energia Vital, considerada a união ou fonte de todas as manas) dando assim origem a Piro, o terceiro deus verdadeiro.

Jara não achou que era uma boa ideia Anĝelina ter gerado outro deus (muitos concordam com ela, devido às besteiras monumentais que Piro já fez), mas alegando que “O Equilíbrio ficaria prejudicado”, Jara também resolve gerar um novo deus, engravidando três anos depois de Anĝelina, e gerando Tamuz.

Jara já tinha tido alguns filhos com os Humanos (e provavelmente com Tritões também), nunca fez questão de ser uma deusa virgem como a irmã, mas não se sabe se esta gravidez especial em que ela gerou Tamuz foi como a de Anĝelina, sem participação de terceiros, ou não.

À medida que Piro ia crescendo, mudanças significativas iam acontecendo em toda a natureza de Akaŝa, surgimento de uma nova constelação (constelação da Aranha), baixa do nível dos mares, aumento geral da temperatura e da gravidade, deslocamento de várias ilhas (neste tempo só havia ilhas em Akaŝa, tanto Akvlando como Ajros eram formados de ilhas), surgimento de novas criaturas sem serem conjuradas, como os grandes felinos e os kitsunes, acredita-se que os orcs surgiram nesta época também.

Tamuz demorou bem mais que o primo para desenvolver seus poderes mágicos, aos 50 anos já sabiam que Piro se tornara deus do fogo, e ele começou dominar seu elemento por volta dos 150 anos. Já Tamuz só ficou sabendo que seria deus da terra aos 200 anos, e começou dominar seu elemento aos 250 anos. Como Tamuz desenvolveu seus poderes mais tarde, algumas mudanças ocorreram mais tarde também: Quando Tamuz aprendeu dominar seu elemento, a gravidade do planeta aumentou ainda mais e o nível das águas diminuiu de novo. Uma espessa neblina que cobria os pólos se desfez, revelando imensas ilhas que ninguém sabia da existência (talvez nem as deusas-mães), uma delas é a Ilha Jurássica que fica atualmente em Fajr-Regno e as outras ilhas ficam em Gaja, apesar de já se passar mais de um milênio, até hoje ninguém conseguiu explorar estas ilhas misteriosas.

Nesta época também surgiram muitas raças de feras (obs. feras representam raças humanóides com o mínimo de inteligência, enquanto bestas são os animais sem inteligência organizada) como os homens-urso, os taurinos e surgem também algumas ŝaks, que são raças híbridas (lupinos já existiam antes da era dos deuses-filhos e os leonídeos já tinham surgido na era de Piro ou talvez pouco antes dele nascer).