FANDOM


Brasatildeo

O brasão pessoal do duque tem o dobro de timbres que qualquer outro nobre. Ele deve estar tentando compensar alguma coisa.

A perícia da conhecimento sobre símbolos, em especial os que identificam pessoas e patentes. Perícia média com alvo em Q.I. e ligada às vocações Religiosa, Lógica e Psico-Artística.

Heráldica não é uma perícia muito boa para aventuras mais simples, focadas em exploração de masmorras ou combates e mesmo em aventuras mais complexas ela não é usada de forma mais intensa como outras perícias e talvez o personagem tenha apenas dois ou três grandes momentos para usá-la em toda a aventura.

Mas apesar disto ela, como qualquer outra perícia, não precisa ser subestimada. Apesar de hoje em dia a heráldica não ser mais uma arte que influi muito nossa vida, num cenário (meio) medieval como é Akaŝa, ela era bem mais importante. Lembrando que a palavra chave da perícia é IDENTIFICAÇÃO.

Quem quiser dicas de como a heráldica pode ser bem usada, recomendo os livros e filmes do Dan Brown, como Código da Vinci, O Símbolo Perdido e Inferno, neles o personagem principal Robert Langdon é, trazendo para nosso cenário, um especialista ou mestre em heráldica, e consegue fazer coisas bem legais com isto.

O principal objeto de estudo da heráldica são os escudos e armas usados para identificar famílias e filiações, mas ela pode ser generalizada para qualquer conhecimento sobre simbolismo:

  • as cores usadas para representar grupos, tribos ou clãs: As cores preta e roxo representam o duque de Nadias, bem como sua bandeira lúgubre.
  • insignias e medalhas: Ele tem no peito uma medalha com uma estrela de seis pontas dentro de uma estrela de cinco pontas, o que quer dizer que lutou na guerra do dia 6 do mês do Rato.
  • indumentária: O pênis é representado como uma seta para cima, o uniforme do cabo tem dois pênis, do terceiro sargento tem três pênis, do segundo sargento quatro... Já o cara com a batina branca com o mikebe azul por cima mostra que é um vice-mestre de águas da igreja Cisne Branco.
  • símbolos religiosos e místicos bem como seus respectivos objetos: Esta adaga na mesa não é uma adaga comum, é uma adaga flamígea usada por uma seita demoníaca em rituais para Ades, e eles fizeram um símbolo com quatro ondas na parede usando sangue, é um símbolo dos discípulos de Hagreb.
  • imagens em pinturas e esculturas, expressões poéticas, lemas: Na estátua que fizeram dele, o seu cavalo está com a pata traseira esquerda levantada, isto significa que é de descendência bastarda, e chamaram ele de "Água Iluminada", uma referência a alguém que desobedeceu uma ordem injusta de um superior da marinha e lutou contra sua tirania.

É função do MJ criar ganchos em que o personagem possa usar suas perícias, mas as vezes ele pode ser lembrado disto. Cidades maiores, principalmente as que têm alguma nobreza são repletas de símbolos e escudos, pesquisas mágicas ou religiosas também se deparam várias vezes com símbolos misteriosos e até charadas. O jogador também pode tomar iniciativas de pedir teste de heráldica, como:

  • Quero jogar heráldica na roupa dele para ver se tem algum detalhe que indique que seja algum tipo de líder entre os outros.
  • A casa que vou entrar, tem alguma cor que chama atenção? (normalmente por fitas ou bandeiras colocadas no portão principal).
  • Como eu vi que ele esta admirando o quadro, quero ver se há algum detalhe no quadro (símbolos pintados) que me permita fazer um comentário para puxar uma conversa.

Sendo uma perícia baseada em Q.I. o personagem aprende primeiro os símbolos mas próximos de onde ele vive, assim, alguém que vive em Gaj'-Kor vai reconhecer melhor os brasões de Gaja que os de Fajr-Regno, mas um estudioso conhecerá os principais de todos os continentes.