FANDOM


Assim como os humanos, os demônios possuem vários idiomas falados nos Círculos Infernais e também no Plano Material. Nem todos os idiomas falados por demônios foram criados por demônios, como o Traarnak, e nem todo idioma demoníaco é falado apenas por demônios, como o Moloke.

Moloke Editar

O Moloke é o principal idioma demoníaco, se contarmos com seus dialetos, é provável que mais de 70% dos demônios falem Moloke.

Não sei se é o idioma mais antigo no inferno (desculpe mas os idiomas demoníacos não são minha especialidade), mas é com certeza o mais falado, provavelmente em todos os Sete Círculos Infernais, pois mesmo que os demônios mais poderosos tenham idiomas próprios, boa parte deles deve conhecer o Moloke nos últimos Círculos.

O idioma é também o mais falado por raças não demoníacas, pois muitos humanos e centauros o falam em Fajr-Regno, tanto que o idioma já é praticamente um idioma oficial do continente. Antigamente os demônios tinham como regra não ensinar sua cultura a raças fracas, mas quando foram considerados potenciais cidadães de Fajr-Regno, isto começou a mudar.

O alfabeto possui 30 letras (embora existam variações com 29 ou 28 letras) e são bem diferentes dos alfabetos humanos. Além disto há um amplo número de símbolos, que faz a escrita parecer até hieroglifos. Há muitos dialetos derivados do Moloke, como:

  • Missara - Falado em algumas cidades do Primeiro Círculo Infernal.
  • Mizarrara - Falado em outras cidades do Primeiro Círculo Infernal.
  • Jubelês - Falado em várias partes do Segundo e Terceiro Círculos Infernais.
  • Tautalês - Falado nas maiores cidades infernais, por muitos íncubos e súcubos poderosos.
  • Yamabês - Falado em Yamabaia, a cidade mais fria do Inferno, fica no Quarto Círculo Infernal.
  • Tomichi - Provavelmente o dialeto que mais difere dos demais, falado por alguns clã dos Quinto Círculo Infernal que não se misturam com demônios fora de seus clã.

Embora demônios poderosos falem Moloke, ele é muitas vezes imposto aos demônios mais fracos e também almas de outras raças que acabaram no inferno, mas ainda não se transformaram em demônios, e que são proibidos de falar qualquer outro idioma, como uma forma de demonstrar seu baixo status.

Mitogre Editar

Idioma falado principalmente nos três últimos Círculos Infernais, considerado portanto um idioma de demônios mais poderosos. Porém o Mitogre não é exclusivo dos últimos círculos e alguns demônios fracos o falam mesmo no Primeiro Círculo.

Há uma região no Quinto ou talvez Sexto Círculo Infernal chamada Mitrog ou Mitrok que é provavelmente a origem do idioma. O Mitogre e o Moloke possuem alfabetos parecidos, embora não idênticos, e é possível que um deles influenciou o outro, mas são idiomas bem distintos, possuem poucas palavras parecidas.

O Mitogre é usado em muitas ritualísticas de magia negra, mesmo por demônios que falam Moloke, sendo assim muito ligado a magias mais antigas e poderosas, o que faz muitos crerem que seria o idioma demoníaco mais antigo. O Mitogre é também um idioma demoníaco mais usado em orgias ritualísticas.

Vedra Editar

Vedra é o nome de uma cidade que fica talvez no Terceiro ou Quarto Círculo Infernal, sua localização exata é propositalmente desconhecida até para a maioria dos demônios e também o nome do idioma usado exclusivamente por cidadães desta cidade.

Se as lendas forem verdadeiras, Vedra é a cidade mais, digamos, "civilizada" de todo o Inferno, alguns se referem a ela até como um "Oásis num mundo de dor" ou ainda "Um Paraíso no meio do Inferno". Não tenho ideia de quanto estas afirmações podem ser reais ou são meras menções poéticas.

Vedra é tida como uma cidade de "heróis", com demônios de todos os níveis e sub-tipos, porém controlada inteiramente por adeptos fervorosos de Piro.

Quanto ao idioma, ele tem algumas letras em comum com o Moloke e também o Mitogre e o Basu, possui também algumas palavras parecidas com o Moloke, mas não é um dialeto deste, pois é bem distinto. O Vedra também tem várias palavras parecidas com o Tareno, idioma oficial de Fajr-Regno.

Os vedrãs, ou vedrenes (não sei ao certo qual termo mais apropriado) não costumam se identificar para qualquer um, mas relatos de humanos que tiveram contato com eles dizem que são demônios bem orgulhosos e que se consideram superiores aos demais (o que era de se esperar de um grupo fortemente religioso), mas os humanos também afirmam que são demônios com noções mais fortes de honra e mais "bonzinhos" que a maioria dos outros demônios.

É bem provável que existam muitos filhos e filhas diretos de Piro entre os comandantes de Vedra.

Trassaviano Editar

O Trassaviano é conhecido como "Idioma dos Escamosos", portanto obviamente falado mais (embora talvez não exclusivamente) por este grupo.

Os Escamosos têm uma ligação forte com magia, e muitas magias são conjuradas exclusivamente com o idioma Trassaviano. Os Escamosos não costumam colaborar muito (pelo menos não de graça) com outros grupos demoníacos, assim os grupos que falam Trassaviano ou dominam as magias deste são os que normalmente tem históricos de cooperação com os Escamosos.

Algumas escolas importantes ligadas a Piro, como La Cour des Miracles, como a cidade de Vedra e até Escola Atemense possuem pequenos (?) círculos de estudo voltados para o idioma Trassaviano.

Basu e Batu Editar

Apesar do nome parecido, não são idiomas parecidos entre si e nem parecidos com outros idiomas demoníacos, só colocamos juntos pois, depois dos idiomas acima, são os idiomas demoníacos mais conhecidos.

O Basu parece ser falado em locais no Segundo e Terceiro Círculos, talvez até no Quarto. Já o Batu é falado no Quarto e partes do Quinto Círculo. São falados por milhares, talvez milhões de demônios, porém não tenho muita informação relevante sobre nenhum dos dois, além do fato de serem faladas em muitas cidades demoníacas e como já dito, não parecer derivar de nenhum outro idioma demoníaco.