FANDOM


Ignos
Ignos foi o primeiro Gran-Elemental criado por Piro (que por enquanto é o único deus que criou dois Gran Elementais, ambos do fogo). Ele foi conjurado em 324 jP, 2 anos depois de Tamuz ter criado a Gran-Elemental Gaja.

Conhecendo a história de Tamuz e Piro, podemos imaginar que pelo menos boa parte do interesse de Piro em conjurar Ignos foi porque Tamuz já tinha feito uma Gran-Elemental antes. Este tipo de competição já era comum no tempo das Deusas-Mães, e os deuses-filhos não ficam atrás.

Fisicamente Ignos se parece um humano adolescente, com cabelos loiros escuros, na altura do ombro; seus olhos são vermelhos (a íris vermelha); proporcionalmente ele é alto e magro; sua pele é da mesma cor que a do deus Piro, levemente bronzeada; rosto imberbe. Quem não o reconhecer como sendo o Gran-Elemental pode até acreditar que está frente a um rapazote fraquinho. Alguns valentões já pagaram com a vida por equívocos assim.

Ao que parece os deuses passam para os Gran-Elementais não apenas seus poderes, mas também partes de sua personalidade; Ignos herdou de Piro sua paixão pelo estudo da magia. Assim Ignos não é um Elemental guerreiro, e sim estudioso. Por isto vamos encontrar menos relatos de seus feitos que dos demais Gran-Elementais, mas quem quiser conhecê-las é só buscar o livro "Ignos, Filho do Fogo".

Ignos frequentemente acompanha Piro no Deserto de Ratnæl para treinar magia e também explorar as ruínas do templo de Ratnæl. Ele esteve presente quanto expulsaram os drakonís do templo e também quando a deusa ancestral se mostrou a Piro.

Um dos objetivos que Ignos busca alcançar junto com Piro é a criação das aves de fogo, presentes em várias histórias que se contam em Akaŝa, mas que até agora não puderam ser conjuradas com êxito.

Há certo boato de que Ignos e Varma não se dão muito bem, embora eu não conheça nenhum evento importante que confirme isto e nem li nada no livro "Ignos, Filho do Fogo" que indique tal. Porém não é difícil ver que os dois Elementais têm personalidades bem diferentes.

Em uma das pinturas mais conhecidas de Zaler Maodik, que mostra Piro em seu trono com Ignos a sua direita e Varma a esquerda, Varma é retratada com um ar levemente arrogante, olhando para frente com o nariz empinado, como se não tivesse vendo ninguém, enquanto Ignos, com ar desanimado, desvia o olhar para o lado oposto da irmã.