FANDOM


Descrever a magia, a Prana ou o plano mágico não são coisas fáceis nem mesmo para os maiores magos. Muitos aprendem a acumular, canalizar e manipular a magia sem nunca compreender sua verdadeira essência.

A definição técnica de magia é: a capacidade que uma pessoa que tenha o Dom mágico despertado possui de sentir os fluídos mágicos que circulam o Plano Material, e, interagindo com estes fluídos, modificar a matéria segundo sua vontade e na medida de sua capacidade.

Estes "fluídos mágicos" são a Prana, ou suas essências secundárias, chamadas de mana. Acredita-se que nem os deuses (ou pelo menos os deuses filhos, ou pelo menos não antes de terem uma hiper-super-mega experiência mágica, como foi o Ragnarök) conheçam toda a natureza essencial da Prana.

Piro, depois do Ragnarök, diz que a Prana é "Asafobkabidas, Kabidasbasafo" ou seja 7 em 13 e 13 em 7, a fartura inimaginável, o mistério dentro do mistério, o perigo da/na loucura ou fora dela (vide Traarnak); se a definição dele não lhe pareceu muito clara, não se sinta inferiorizado, ninguém a acha clara.


A Prana e As ManasEditar

A Prana, ou "Energia Vital" é conhecida por vários nomes de acordo com o idioma ou teorias que cada pessoa adote, e é também explicada de várias formas, mas pouco, muito pouco mesmo, é o que se sabe com certeza sobre a Prana.

Os magos não conseguem manipular diretamente o poder desta Prana, então eles buscam manipular as essências menores deste poder, que recebem o nome de MANAS. Podemos comparar a Prana e as manas com a luz: a luz branca dá origem a todas as demais cores de luz, assim como a Prana dá origem a todas as manas.

Embora existam divergências entre as diferentes teorias mágicas sobre a divisão das manas, a maioria admite (ainda que didaticamente apenas) as manas principais divididas em quatro ou cinco, cada mana é associado a seu elemento (ou elemento dominante se estivermos considerando uma teoria em que as manas não são tão "separadas").

Podemos dizer que o Plano Material está totalmente envolvido pela Prana, e que tudo que existe está o tempo todo "banhado" pela Prana. Porém as concentrações de mana de cada elemento mudam o tempo todo. Estas concentrações estão o tempo todo em movimento, formando o que chamamos de fluxo mágico, este fluxo pode ser comparado com correntes de ar ou correntes marítimas, que sobem, descem, desviam umas das outras e às vezes até se chocam.

Alguns magos são capazes de sentir tanto o fluxo (movimento) quanto a força (concentração) de cada mana. Esta concentração é medida em porcentagem, quanto maior a porcentagem, maior a quantidade de energia mágica, menor a dificuldade de se fazer magias daquele elemento, mais rápida a recuperação do mago, etc. A concentração de uma mana nunca passa dos 100%, mas curiosamente a soma de todas a manas em um local pode ser inferior a 100%, embora quase sempre seja maior que isto, mas não superior a 200%, o motivo disto é ponto de divergência de várias teorias.

Assim, num determinado local podemos ter uma concentração de mana do ar de 60%, de mana do fogo também a 60%, de mana da terra a 40%, de mana da água a 10% e mana negra a 5%.

Cada mana (ou seus fluxos) pode ser "sentida" de forma diferente pelos magos, sendo que normalmente a percepção mágica começa pelo tato, mas alguns magos mais fortes são capazes de enxergar os fluxos de mana, associando assim as manas também a suas cores. Alguns poucos magos são capazes de sentir as manas também com os sentidos de olfato e audição, mas isto é extremamente raro.

MANA DO AREditar

  • Sentidos: Os magos do ar descrevem que a sua mana é sentida "à flor da pele", como uma brisa ou vento, com suas mudanças de direção. A mana em si é muito sutil e é preciso muita sensibilidade para percebê-la, mas é ela é mais fácil de manipular que as demais manas, e também de se acumular, o que permite magias de grande resistência quando manipulada. Quando manipulada, a mana causa uma sensação de frio no corpo do manipulador, alguns magos brancos descrevem a sensação de manipular a mana como "se nós vestíssemos o ar". A cor principal da mana é BRANCA, mas pode variar em tons amarelos, laranja e azuis claros. Quando um mago chega a perceber a mana com o sentido da audição, ele descreve como um som baixo de flauta em Si bemol. A sensação de gosto e cheiro é descrita como "doce", embora algumas vezes os manipuladores descrevam como um cheiro suavemente cítrico acidulado.

MANA DA ÁGUAEditar

  • Sentidos: Para os magos da água, a mana é sentida pelo sangue, ou como uma extensão dele, normalmente causando sensações pulsantes ao ser manipulada. É ainda uma mana sutil e fácil de manipular, embora não tanto quando a mana do ar, e é mais difícil de ser acumulada, o que faz com que os magos da água dependam de fontes fortes para criar efeitos mais poderosos. Quando manipulam a mana, os magos da água dizem que "a mana azul passa ser extensão de nosso corpo". A cor principal da mana é AZUL, sendo que ela fica mais clara quando usada em magias de cura, e mais escura quando usada em maldições, podendo atingir tons violetas e quase pretos. Quando um mago chega a perceber a mana com o sentido da audição, ele descreve como um som leve de cristal ou como instrumento metálico em Lá. Uma magia da água extremamente forte pode deixar a boca do invocador com um gosto levemente salgado, ondas de mana azul podem ter um cheiro floral extremamente sutil.

​MANA DO FOGOEditar

  • Sentidos: Os magos do fogo também afirmam que a melhor forma de sentir a mana é pelo sangue, mas a mana do fogo é bem menos sutil que a mana da água. Os magos do fogo afirmam que quando manipulam a mana, podem sentir como se o sangue tivesse engrossado e se tornam conscientes e todo seu fluxo pelo corpo. A manipulação causa sensação de calor, e muitos magos têm febres altas quando não conseguem dominar seus poderes, alguns adoecendo gravemente. Eles descrevem a manipulação da mana vermelha como "uma fonte de poder que queima de dentro para fora". A cor principal da mana é VERMELHA, mas pode assumir tons de laranja e amarelo. A mana do fogo pode impressionar o sentido da audição de formas diferentes, sendo que os fluxos são descritos como sons de ventania, os pulsos como uma percussão em Do ou Ré, fontes estáticas como cordas em Do ou Mi. O gosto após uma manipulação difícil pode ser azedo ou amargo, principalmente se o mago estiver com raiva, e o cheiro de fontes fortes é descrito como salgado ou com tons de couro.

MANA DA TERRAEditar

  • Sentidos: A mana da terra é a menos sutil, difícil de ser manipulada e acumulada, por isto as magias da terra são pouco refinadas e os magos usam a mana que verem disponível de uma vez só, "como em blocos" afirmam eles. A manipulação é sentida direto nos músculos e ossos, os manipuladores dizem: "Para manipular a terra, você tem que ser rígido como rocha, a maioria das magias você tem que chocar seu corpo contra a mana". A maioria da mana da terra, quando manipulada, tem cor marrom ou vermelha escura, mas as magias de cura da mana são tons de VERDE, e por isto a mana da terra é chamada de mana verde. A mana da terra só chega ser sentida audivelmente quando ocorre grandes choques de massas de mana (portanto só em situações fodásticas) e é descrita como sons de percussão seca. Quando impressiona o paladar, a mana é descrita como salgada e seu cheiro tem tons amadeirados, mas a mana da terra também é a mais difícil de ser percebida pela audição, olfato e paladar que as demais.

MANA NEGRAEditar

  • Sentidos: Os magos negros descrevem as sensações da mana negra de forma bem variada, ora sentida à flor da pele (como arrepios), ora no sangue (como algo ruins correndo pelo corpo), ora nos músculos (como se a vitalidade tivesse abandonado partes do corpo), mas ela é sempre descrita com sensações ruins (normalmente medo ou ódio). Quando uma fonte de mana preta é sentida, ela normalmente causa uma impressão de frio, mas ao ser manipulada o mago sente uma impressão de calor. Por diversos motivos, a mana negra é considerada a magia mais inferior e até proibida, boa parte de quem nasce com o dom da mana negra não o desenvolvem, seja por medo da magia em si, seja por receio das represálias. A mana negra não é ligada a nenhum elemento, apenas à sua cor (embora alguns chamem de mana da morte, da decomposição, etc.). Fontes de mana negra estagnada podem causar impressão do som de vento enquanto fluxos rápidos tem sons metálicos. O cheiro de enxofre é associado à mana negra, mas os estudiosos mais detalhistas dizem que isto acontece não pela propriedade da mana, e sim por fontes de enxofre (bem como carne em decomposição) estarem quase sempre presentes nestas fontes de mana, a impressão causada pela mana em si seria um cheiro ácido ou cítrico forte. Fontes de mana negra tendem a deixar uma impressão de gosto azedo forte, até em pessoas sem o dom. Por tudo isto, a mana negra é que tem características sensoriais mais variadas.

O DomEditar

O plano mágico é relativamente neutro: a mesma mana usada para criar pode ser usada para destruir, as técnicas de conjuração usadas por uma raça podem ser usadas por outra, independente da pessoa ter ou não bom caráter ou boa intenção, ser ou não culto.

Há pequena diferenças em como machos e fêmeas manipulam as manas, mas com treino, tanto um mago como uma maga podem manipular o elemento de todas as formas. Os elementos água e ar são tidos como elementos de energia feminina, já o fogo e a terra como elementos de energia masculina, mas isto é discussão para outra hora.

Porém a capacidade de manipular a magia, conhecida simplesmente como "o dom", não é homogênea: alguns desenvolvem o dom com muita facilidade, enquanto outros são quase totalmente refratários ao dom. Embora se saiba que o dom pode ser aperfeiçoado com alguns treinos, os mecanismos que fazem uma pessoa desenvolvê-lo com mais ou menos facilidade são desconhecidos.


Teorias Mágicas (magilogias)Editar

Como sabemos relativamente pouco sobre o plano mágico, há várias teorias diferentes sobre o plano, o que gera muita confusão e disputa entre magos, que podem se tornar tão fanáticos defendendo suas teorias quanto um religioso defendendo seus dogmas.

Entre as dúvidas sobre o plano mágico temos:

  • O plano mágico é totalmente neutro, como o material, ou existe alguma força inteligente que dirige o plano?

- A maioria dos magos acredita que o plano mágico é totalmente neutro, embora suas leis sejam diferentes das que regem o plano físico e, devido a isto o plano mágico pode agir de forma caótica algumas vezes. Porém alguns teóricos chamados de pranistas defendem que, embora as manas sejam neutras, a Prana tem inteligência própria, e pode agir às vezes até contra a vontade dos deuses. Devido a isto, alguns pranistas consideram que a própria Prana é uma divindade, talvez até mais poderosa que os próprios deuses.

  • A mana negra é uma mana independente ou uma anti-mana?

- Muitos magos consideram a mana negra como uma fonte de magia, assim como as quatro outras (água, terra, fogo e ar), porém a mana negra tem algumas propriedades que parecem ir contra todos os outros tipos de magia, sendo talvez uma anti-magia ou anti-mana.

  • As manas são independentes, opositivas ou cooperativas?

- Aqui as teorias divergem quanto à estrutura da magia, algo bem confuso para quem não tem dom mágico e até para quem tem.

Para se entender o que é pregado, tem que se estudar cada teoria separada. A grosso modo, alguns magos defendem que cada tipo de magia tem propriedades próprias e independente de todas os outros tipos (puristas); outros defendem que a magia tem "direções" ou "vetores", sendo que algumas seguem caminhos opostos, tais como a água em relação ou fogo e a terra em relação ao ar; ainda outras vertentes pregam que embora as magias tenham características peculiares, elas se influenciam mutuamente, podendo se potencializar, dispersar, anular e até copiar o efeito dos outros tipos de magia; por fim há também algumas correntes que dizem que não há tipos de magias diferentes, apenas formas diferentes de se usar a Prana.

Apesar das divergências teóricas, elas parecem não afetar o poder de quem desenvolveu o dom mágico, ou seja: um mago purista não parece ter nenhuma vantagem ou ônus para usar a magia que um mago pranista.