FANDOM


O poeta é um fingidor. Finge tão completamente. Que chega a fingir que é dor. A dor que deveras sente.

A perícia da conhecimento sobre diversos tipos de arte. Perícia média com alvo em Q.I. e ligada às vocações Religiosa e Psico-Artística.

Poesia, escultura, literatura, artes sacras, música são algumas das especializações que o personagem pode ter (lembrando que só é obrigado escolher especialização se o mestre pedir, bem como ele pode ou não cobrar por elas), porém esta perícia pode ser sub-aproveitada caso mestre ou jogador não a veja de forma mais ampla.

Primeiro: a perícia é baseada em Q.I. e não em Destreza ou Percepção como outras perícias que também falam de arte, como Canto, Dança e Instrumento Musical, isto porque a perícia é mais ligada a parte teórica das artes, o que pode fazer com que o personagem seja, por exemplo, melhor coreógrafo que dançarino, melhor como crítico de arte que como artista. Apesar disto um personagem com mais Q.I. do que Percepção ou Destreza se beneficia mais desta perícia que das demais.

As artes mais ligadas ao Q.I. são poesia e literatura, pois requerem mais conhecimento de estilo, métrica, etc. do que bons sentidos, portanto mesmo se o personagem escolher outra especialização, ele ganha um pouco de poesia e literatura de qualquer forma.

A perícia pode agregar ou até substituir outras perícias artísticas ou até perícias intelectuais, como Heráldica e História e Geografia. Heráldica é óbvia a ligação com artes, e usar as duas perícias pode ser desperdiçar PPs, já outras como história se limitariam a conhecimento de história da arte, mas não pense que um bom jogador não consegue tirar muito proveito disto.

Muitas charadas, mistérios e desafios podem ser resolvidos usando a perícia Arte/Poesia, em alguns casos eles não poderão ser resolvidos com qualquer outra perícia. Para ocultar segredos pode-se usar linguagem figurada, assim: "Quando a Lua Branca se unir num abraço quente com a Poeira dos Dias..." pode tanto significar um eventro astronômico envolvendo Ânima como pode ser uma receita de Alquimia em que "Lua Branca" na verdade é prata, "abraço quente" é misturar duas substâncias por meio do fogo e "Poeira dos Dias" é algum sal específico ou pode significar um exercício de magia, de auto-ajuda, qualquer coisa, que irá precisar do conhecimento de figuras de linguagem para ser decifrado. OBS.: isto vale para gírias locais se o MJ lembras de colocá-las no cenário, o que enriquece o cenário.

Arte/Poesia também oferece vantagem (pequena, mas conta) em Testes de Reação, por exemplo: meu personagem tem vocação Lógica, a pior interação é com personagens de vocação Psico-Artística (mod-1 se o MJ seguir a tabela), com a perícia Arte/Poesia eu não ganho este mod negativo para personagens Psico-Artísticos. E vamos supor que além disto eu tenha especialização em Arte Sacra, na tabela minha interação com personagens de vocação Religiosa é 0, mas com a especialização passo ganhar mod+1 com religiosos.

O personagem ganha também em interação social, pois independente da vocação do personagem que esteja interagindo, o conhecimento de Arte/Poesia sempre dá repertório para puxar assunto, ainda que seja para "enrolar" a conversa, pois por mais rude que seja o outro, todo mundo gosta de algum tipo de música, ou se encanta com algum tipo de beleza, etc. Além disto jogos, principalmente de tabuleiro, são normalmente jogados com regras de simetria, movimentos, valores subjetivos (pense no xadrez), assim o personagem com a perícia tende a ter facilidade com jogos também, pois ele consegue "enxergar" as jogadas de forma especial.

Por fim, caso eu tenha um personagem que não tem dom mágico, nem perícia de Misticismo ou similar, mas não quer ser totalmente alheio a um tema recorrente no cenário, especialização em artes místicas ou artes sacras podem dar-lhe algum conhecimento, o bastante para entender que certos símbolos marcam lugares místicos/mágicos/sagrados e que portanto devem ser procurados ou evitados, ou ainda saber se é ou não prudente tocar num portal mágico na sua frente. Juntando isto com a questão de mistérios comentada antes, um quebra-cabeça envolvendo magia não precisa ser desvendado necessariamente por um mago, você pode desvendar a charada e depois deixar os magos do grupo agirem.